Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Apanhem-no Se Conseguirem!

Sexta-feira, último dia da semana. Mais um dia rotineiro de levantar, tomar o pequeno-almoço, preparar as coisas, almoçar e ir para a escola. Mas esta sexta-feira não iria ser igual à outras. Algo inesperado aconteceu.

 

Estava eu literalmente soterrada no meio da minha papelada, lápis, canetas e dossiers, quando o meu telemóvel toca. Era o meu irmão. Huummm... quase hora de almoço, deve ser para avisar que não vem almoçar. Mas porque ligou para mim em vez de ligar para a progenitora?

 

Atendo o telemóvel e oiço uma voz muito aflita do outro lado: "Mana, o Bóbi fugiu!!!!"

Caiu-me tudo aos pés... "Fugiu? Mas como? Diz ao pai para irem de carro à procura deles nas redondezas."

Como o cão está habituado a andar de trela, fiquei preocupada que ele pudesse ser atropelado por algum carro. E porque sei - por experiência própria - que ele à solta desata a fugir que nem um doido.

O meu irmão tinha muito receio que alguém o apanhasse e ficasse com ele pois o cão é bonito e está sempre a ser cobiçado. Mas o Bóbi de parvo não tem nada e só se deixaria apanhar por alguém que ele conheça muito bem.

 

Deduzi que ele iria dar umas corridas valentes e depois fosse ter com o meu pai e irmão ou viesse para casa. São apenas os caminhos que ele conhece e espertalhão como ele é...

Eu e a minha mãe saimos para a rua para o procurarmos enquanto avisávos todos os que encontrámos que o tentassem agarrar caso o encontrassem.

 

Resultado, o senhor Bóbi resolveu pregar a partida de se soltar, correu que se fartou e voltou ao local de partida. Ao que parece, eram algumas sete ou oito pessoas atrás dele a tentar agarrá-lo e ele estava todo contente porque pensava que estavam a brincar com ele. Quanto mais o pessoal corria, mais o Bóbi lhes fugia.

 

Este cão é mais doido que eu sei lá o quê... Já vos contei que ele come ao garfo?!

 

 

 

A Coffee, Please!

Domingo. Dia do N. ir para baixo. Últimas arrumações em casa, fechar tudo e trancar a porta a sete chaves. Regresso ao lar paterno (e às suas confusões).

 

Estou com a cabeça feita num oito. Até já tenho os olhos em bico… não tarda nada estou a falar chinês também.

Tenho estado a tarde inteira a ver testes diagnósticos. Confirmou-se o que eu mais temia: os-putos-não-sabem-nada! Glup! Trabalho a quadriplicar para a Pessoinha…

 

Nem saí de casa para ir tomar uma café de jeito. Só mesmo daqueles pacotinhos para fazer em casa.

Café? LOL! Grande piada! Uma das coisas que a Pessoinha mais gostava na vida era de um cafezinho… ERA um cafezinho… de todas as maneiras e feitios, com ou sem açúcar, com ou sem leite, com ou sem natas e por aí afora. Agora só descafezinho. Chuif!

Eu explico porquê: os meus alunos do ano passado eram bastante mauzinhos em termos de comportamento, a directora da escola quando lá estava era só para marcar presença e ganhar uns trocos para alimentar o seu bruta Mercedes último modelo e as condições de trabalho… não eram! Não havia sequer as condições mínimas. Uma pessoa queria trabalhar e fazer alguma coisa de jeito e não podia. Estas situações todas acabam com os nervos de qualquer um, né? Como é que se pode fazer omeletes sem ovos? E foi assim que arranjei uma hipertensão de origem nervosa, tendo que tomar 2 comprimidos por dia e nada de café ou sal na comida. Por isso tenho que me vingar nos doces… :PPP

 

Ando a ficar muito preocupada com a minha mãe. Então não é que mandou um espalhanço que desceu um lance de escadas com o traseiro? Ela nem sabe como aquilo aconteceu. Resultado: anda aflita da coluna e está toda magoada.

Só lhe têm acontecido coisas do arco-da-velha.

 

Esqueci-me de partilhar convosco uma coisa: sabem a minha ”cratera”? A enfermeira disse-me que está muito bem e bem mais pequena e que, brevemente, já não daria para colocar a compressa de inadine lá dentro. Ficava dispensada do penso e bastava só lavar isto com betadine. WEEEEEEE!!!

 

Bom, se calhar já chega por hoje, não? Já têm muita coisinha para ler e para comentar… Entretenham-se! :)